PPGSAT da UFBA aprova outro projeto para Enfrentamento de Derramamento de Óleo na Costa Brasileira

Atualizado: 12 de Dez de 2020

Programa de Pós-Graduação em Saúde, Ambiente e Trabalho (PPGSAT) da Faculdade de Medicina da UFBA aprova mais um projeto para avaliar os impactos do Derramamento de Óleo na Costa Brasileira.


Depois de ter um projeto aprovado no edital Entre Mares, o PPGSAT aprova mais um projeto. O projeto intitulado “Estudo epidemiológico do impacto do derramamento de óleo bruto na costa da Bahia: saúde, ambiente e segurança alimentar” (processo 440784/2020-4) foi aprovado na chamada CNPq/MCTI 06/2020 – Pesquisa e Desenvolvimento para Enfrentamento de Derramamento de Óleo na Costa Brasileira – Programa Ciência no Mar. O projeto é coordenado pela professora Dra. Rita de Cássia Franco Rêgo do Programa de Pós-Graduação em Saúde, Ambiente e Trabalho da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia, integrante do INCT AmbTropic II, no GT 4 – Derrame de Óleo. A esse edital Concorreram 141 projetos e apenas 7 foram aprovados, sendo 2 da UFBA, ou seja, concorrência de 20:1.


Coordenado pelo PPGSAT, assinam esse projeto 22 pesquisadores de diferentes programas de pós-graduação, departamentos e institutos da UFBA. Além do PPGSAT, participam o IBIO, IGEO, Engenharia Ambiental, Dep. Estatística, Instituto de Ciências da Saúde, em parceria com pesquisadores de outras universidades nacionais (UFRJ, UFRPE e IFSC) e internacionais (University of North Carolina (UNC) at Chapel Hill (EUA), Universitat de Barcelona (Espanha)). Por incentivo do Reitor João Carlos Salles e da Pró-reitoria de Pesquisa da UFBA, essas parcerias vêm se consolidando desde 2019 e vem conformando um grupo multi e interdisciplinar, incluindo pesquisadores da área da saúde (epidemiologia, saúde coletiva, medicina, planejamento em saúde, entre outras), ciências ambientais, ecologia, oceanografia, química, geoquímica, estatística, antropologia, microbiologia, entre outros.


O Programa de Pós Graduação Saúde, Ambiente e Trabalho - PPGSAT vem realizando pesquisas e ações de extensão sobre a saúde dos pescadores artesanais na Bahia e no Brasil desde 2007. Tais estudos resultaram em dezenas de publicações interdisciplinares nas esferas clínicas, epidemiológicas, ergonômicas, ciências sociais, saúde ambiental, dentre outras. A aprovação deste projeto integra esse contexto de ampla experiência construída por meio de diálogo permanente com lideranças dos pescadores.

Foto: Acervo Guardiões do Litoral

A Bahia foi o estado mais atingido, na extensão e volume de óleo coletado (IBAMA, 2020). Até 12 de fevereiro de 2020, do total de 159 ocorrências de fauna oleada, 67 (42%) foram na Bahia, e desses 42 (62,7%) foram encontrados mortos. Das 67 espécies da fauna afetadas na Bahia 25 (37%) eram aves, 34 (51%) tartarugas marinhas e 8 (12%) outras espécies. As análises de realizadas de 29/01 a 12/02 de 2020 revelaram níveis elevados de 9 HPAs para ostra, siri e caranguejo em algumas localidades (Bahia Pesca, 2020).


Milhares de pessoas trabalham e frequentam as praias atingidas, consomem pescados e mariscos produzidos nesse extenso litoral, demandando ações eficazes de saúde pública e de segurança alimentar e nutricional. As populações potencialmente expostas ao óleo bruto/petróleo são frequentadores das praias, manguezais e estuários para lazer, turismo e trabalho. São pescadores artesanais e marisqueiras, trabalhadores ambulantes, trabalhadores informais do beneficiamento e tratamento de pescados, funcionários da limpeza pública, de restaurantes e bares nas praias, turistas e banhistas em geral.


Diante desse cenário catastrófico do derramamento de óleo na costa brasileira em 2019, o projeto busca responder como o derramamento de óleo bruto impacta a saúde de comunidades afetadas, por meio da produção de tecnologias de saúde em conjunto com as comunidades para o acompanhamento e cuidado da população exposta. Além disso, neste projeto serão conectados os dados fornecidos pela pesquisa feita pela equipe do INCT AmbTropic II sobre contaminação do pescado e do marisco, proporcionando uma visão ampliada da contaminação


Seu objetivo geral é analisar os impactos do derramamento de óleo na saúde das comunidades afetadas no litoral do Estado da Bahia e construir ações em conjunto com essas comunidades, utilizando a Pesquisa Participativa Baseada na Comunidade (PPBC). Esta pressupõe o envolvimento equitativo de membros da comunidade, representantes organizacionais e pesquisadores em todas as etapas processo de pesquisa e intervenção.

Problemas ambientais apresentam interface com a saúde e o modo de vida de grupos populacionais específicos, necessitando de projetos de pesquisa articulados, com engajamento social para efetividade das propostas, essa dinâmica mantem a UFBA na vanguarda da pesquisa no país.


Referências

BAHIA. Bahia Pesca. Parecer Técnico. Disponível em:http://www.bahiapesca.ba.gov.br/arquivos/file/parecertecnicolitoralnortefinal.pdf.Acesso em: 10fev2020.


Instituto Brasileiro Do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. (IBAMA). Monitoramento na gestão da emergência ambiental relacionada ao óleo que atingiu as praias do Nordeste. Localidades atingidas – mapas. Disponível em: -http://ibama.gov.br/manchasdeoleo-localidades-atingidasAcesso em: 02 ago. 2020.

39 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

ACOMPANHE VIA

EMAIL .

Obrigado pelo envio!

ÚLTIMOS POSTS.